segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Óscares e política

Apesar de gostar muito de cinema, não tenho frequentado ultimamente as salas de cinema tanto quanto gostaria. Os malefícios do vídeo que ajuda a preguiça de se ficar no conforto da nossa sala e o nosso sofá, sabendo bem que um ecrã grande numa sala escura faz toda a diferença para melhor... Mas é irresistível e assim se explica que não tenha visto nenhum filme proposto para os óscares, mesmo os que já andam por aí. Mea culpa, ou culpa do sofá e do frio da rua...
Também não tenho por costume ver a entrega dos óscares. Não acho que tenha interesse suficiente para alterar as minhas horas de sono que se iniciam antes do início da cerimónia. Agravando tudo isso, desta vez talvez por estar de «férias de Carnaval»  até me esqueci do famoso evento.
Esta manhã ao ler as notícias vejo que se deu uma espécie de escândalo, porque trocaram os envelopes com os prémios, e o Óscar de melhor filme foi inicialmente entregue a um outro filme... Ooooooh! Depois de agradecerem etc e tal, terem de o devolver deve ter sido impressionante e de pôr à prova os seus dotes de actor ou actriz! Bem, lá me ri um bocado.
Depois fui ver qual tinha sido o verdadeiro vencedor. Como já disse também não vi ainda esse filme que partiu de uma história chamada «In moonlight Black Boys Look Blue» título muito sugestivo, sobre um homossexual negro que cresceu no meio de drogas e criminalidade. Hmmmm.... Negro? Homossexual? Logo duas categorias non gratas para Trump e seus amigos.
Ou seja, uma pedrada em cheio.
Claro que para quem considera que «política» é só coisa de políticos, tipo a-minha-política-é-o-trabalho, etc, etc, (aliás essa velha frase é da máxima ironia porque não há nada mais político do que a política do trabalho!) pode parecer muito exagerado admitir que com este prémio se atingiu o actual Presidente Trump. E não deve ter sido isso, mas a verdade é que ele se pôs a jeito!!! Um tipo que goza com o que é diferente, que acha muita graça em se assumir como machista, que aceita o apoio da KKK, perceber que Hollywood com tudo o que de mau ela também tem, premeia uma história como esta não o deve deixar lá muito contente. E ver um actor muçulmano, dizem que foi o primeiro, a receber um Óscar! Li várias graças no twitter (mas em português, o homem não entende...) dizendo  por exemplo que 'amanhã o trump vai atacar com os Fake Oscares' e olhem que... se calhar...
A verdade é que a ideia de hostilizar os média que não aceitam tudo o que ele diz, não pode dar bons resultados. É que são muitos...! E criticar os artistas que também não gostam dele, o mesmo, porque também são muitos. Note-se que nos Razzies os anti-óscares, o primeiro prémio e pelos vistos muito merecido :))) foi para um filme Hillary's_America:_The_Secret_History_of_the_Democratic_Party que deve ter sido uma 'encomenda' dos republicanos.
Contudo, o facto de grande parte da imprensa denunciar as mentiras do Trump, não nos deve fazer esquecer que ainda há muita e muita gente que acredita. Mesmo aqui, em Portugal, se lermos alguns comentários de leitores de jornais on-line, encontramos muita gente que o aplaude e considera que o-resto-do-mundo é que que está a mentir. Não devemos esquecer isso...
..............
Mas que esta cerimónia dos Óscares não vai ser esquecida tão cedo, isso não vai!!!!



Cereja

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Ainda e sempre a educação

Dos temas que mais me apaixonam, como quem passa por aqui já sabe e basta ler os últimos posts para o verificar, o mais importante é sem dúvida a educação. Gosto de crianças, e considero que educar é talvez a tarefa mais importante do mundo. E é também um tema sobre o qual quase toda a gente tem opinião e sujeito a muitas "modas", mais do que isto talvez só, actualmente, a alimentação tema que parece ser quase uma obsessão. :)
Quem anda neste mundo há várias dezenas de anos tem a irresistível tendência de comparar a vida familiar actual com aquela vivida por si na infância e adolescência, e as diferenças são muitas vezes impressionantes. Muito frequentemente parece existir uma viragem de 180 graus, comportamentos que eram socialmente naturais há 50 anos são hoje vigorosamente criticados enquanto o que seria inaceitável no tempo dos nossos avós ou até dos nossos pais, é a norma.
Há alguns dias li num jornal uns comentários a uma atitude bastante estranha de algumas unidades hoteleiras. Parece que alguns (creio que muito poucos...) hotéis, publicitando o seu sossego e calma, informam que não aceitam famílias com crianças  Oh céus!!! «Adults only» Em Portugal também, por aquilo que li.
Claro que choca. Mas o que é isso??!
Contudo quem já comeu em restaurantes com crianças a correrem entre as mesas aos gritos, tentou ser atendido numa loja enquanto um menino fazia uma birra atirando tudo ao ar, ou entrou num elevador onde outra criança tinha carregado em todos os botões obrigando a um grande compasso de espera em cada andar, pode aceitar que esses comportamentos incomodam e perturbam o bem estar de quem não tem nada a ver com o assunto. Mas a culpa/responsabilidade não é da criança e sim do adulto responsável. Porque, de um modo geral, quem acompanha essas fontes de perturbação não exerce qualquer acção disciplinadora, nem impede a actividade socialmente desadequada.
(O exemplo que citei da birra numa loja, assisti a essa cena não há muito tempo; os compradores deixaram de falar com os empregados porque os guinchos abafavam as suas vozes mas a mãe não parecia nada sensível ao incómodo causado, não saiu dali com o filho, e continuou durante largos minutos a acabar de fazer fosse lá o que fosse...)
Ora bem, a diferença com um passado não tão remoto como isso é enorme. Reprimir-se, como dantes, a espontaneidade de uma criança em público? Hmmmm... Não parece ser o caminho. E a verdade conforme li numa socióloga hoje «ao contrário do passado as crianças são estimuladas a serem activas». E parece certo. Mas sem limites...? Podia-se concluir que hoje «os pais não educam pior, a socialização é que é menos virada para a obediência e mais para o diálogo»
Faz sentido.
Gosto do diálogo.
Mas nestes exemplos dos pequenos perturbadores da ordem, não vejo diálogo nenhum. Vejo uma espécie de quero-posso-e-mando das crianças, sem limites e sem respeito pelos outros.
As crianças não podem nem devem ser equiparadas a animais e excluídas dos hotéis, mas devem comportar-se então como os habituais frequentadores dos hotéis. Simples.


Cereja

... de volta, com a Primavera

Fiz no Cerejas uma pausa enooorme.
Meses e meses. Nem julgava que tivesse sido tão grande, fiquei admiradíssima quando confirmei que não vinha aqui desde o final do Verão passado...
Claro que a-culpa-foi-do-facebook, isso é indesmentível, mas não só.

Já lá vai o tempo onde comunicávamos, muitos de nós, através de blogs. Mas os meus «amigos da blogosfera», na sua quase esmagadora maioria, desapareceram. E os que não desapareceram, publicam ao ralenti.
Fui confirmar e cá está, o Charquinho, que vou «vendo» no twitter, mudou de visual e vai pingando um post aí de 15 em 15 dias, a Hipatia do Voz em Fuga idem, dá notícias aí uma vez por mês.... quanto à Saltapocinhas do Fábulas esperta como a sua homónima do Romance da Raposa, tem um truque para manter o blog activo: publica uma foto todos os domingos, uma anedota às segundas e um post «a sério» de vez em quando... voilá! Mas todos os outros, o 100 nada, o Ponto sem nó, o Estou na sesta, para não falar nos que sumiram de vez, que fecharam há 5, 6, 7 anos - o Cabra de Serviço, o Ai o Camandro, o Troll Urbano, o Farinha Amparo, o BdE (Blog de Esquerda) - e outros de que nem link já encontro o Afixe, o Barnabé... Nesses tempos, quando ainda não existiam as redes sociais que agora parece fazerem parte integrante das nossas vidas, comunicava por esta rede que desapareceu. Existem muitos blogs, claro está, com grandes temas políticos, ou económicos, ou sociais, correspondendo um pouco às colunas de opinião dos jornais, ou muito leves, com textos de moda, culinária, puericultura. Mas não-é-a-mesma-coisa.
Isto para analisar o porquê desta minha ausência, uma desmotivação por sentir que aqui fico a falar sozinha, enquanto no facebook tenho feedback.

Claro que não foi só isso. É verdade que tive uma grande pausa forçada por um acidente parvo que implicou uma hospitalização e uma ausência forçada das «novas tecnologias» como se costuma dizer. Mas não serve de explicação, porque se tivesse sido há 10 anos, ou até menos, no tempo do meu querido Pópulo assim que tivesse um computador à frente recomeçava cheia de energia.
Pois é.

Vamos lá ver se tenho um segundo fôlego :)))

Cereja 

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

«Gostas mais do papá ou da mamã?»

Quando há uns dias escrevi aqui  Os modernos Salomões prometi que voltava ao assunto, que me preocupa muito e está muito longe de se ter dito sobre ele o necessário.
Nós hoje casamo-nos menos e divorciamo-nos mais. Mas, devido a uma grande alteração de conceitos - e ainda bem! - uma criança nasce sempre legalmente com pai e mãe sendo os dois igualmente responsáveis por ela, seja a ligação registada oficialmente ou não. Portanto a maior rapidez com que se casa e descasa, ou nos juntamos e separamos, não influencia a ligação legal mas influencia muito, imenso, a ligação psicológica.
Tenho a convicção por aquilo que vou sabendo, que grande parte dos pais tem cuidado quando comunica aos filhos a separação. Quase sempre explicam-lhes que a questão não tem nada a ver com eles e os amam da mesma maneira.
Mas vamos saltar vários patamares do que se passa nestas separações, inevitavelmente dolorosas, e chegar já aos Tribunais de Família que vão decidir a «regulação do poder paternal».  (uma nota, será que a palavra Poder, não é sugestiva?) Bem, essa regulação no papel parece sensata. No caso dos pais já não se darem lá muito bem, a custódia partilhada diz que a criança fica a viver com um deles e decidirão em conjunto as questões de educação, saúde, ou deslocações ao estrangeiro. Sensato. Assim como é sensato que o progenitor com quem a criança reside facilite os contactos com o outro.
Bem, mais um passo, para se chegar ao ponto importante que é um desentendimento entre os pais. É normal, não é? Estão a lutar por um Poder e muito zangados um com o outro. O Tribunal (advogados, assistentes sociais, juízes, procuradores, imensa gente) intervem. Além de ameaçar os pais como referi nos Modernos Salomões, vai ouvir a criança, o que não é má ideia. Mas o que é «ouvir»? Ser conduzida a uma estrutura assustadora que é um tribunal, onde numa salinha alegre (?) alguém, estranho para ela, lhe vai fazer perguntas sobre os seus afectos?
A pergunta idiota que se fazia a brincar «Gostas mais do papá ou da mamã?» foi há muitos anos considerada um modelo do que nunca se devia dizer, brincadeiras à parte. Do ponto de vista da psicologia é uma violência, um mau trato, uma agressão psicológica. Mas que a Justiça (?) faz constantemente. Quando uma criança pequena é interrogada, sabendo que do que disser pode estar a escolher viver com um dos pais, é gravíssimo.
Mas faz-se.
E depois de feito não se pode «apagar», não há borracha que apague uma recordação dessas, é trauma que a acompanhará toda a vida. Mas quem manda é o Tribunal e terá de ser obedecido a bem ou a mal. Isto acontece constantemente.
S.O.S.


Cereja

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Apenas um «trágico acontecimento»?!

Li ontem de manhã, e creio ter sido também apresentado na TV, um trágico acontecimento, a morte de um rapaz de 20 anos. Aconteceu. 
O modo como é apresentado é o de são coisas que acontecem porque sofreu um «golpe de calor».
Não simpatizo, nunca simpatizei, e nunca simpatizarei com instituições militares. Tenho este feitio, e talvez por isso não seja perfeitamente isenta. Mas enquanto o governo fala em 'momento de dor e sofrimento' e fala em apurar responsabilidades, o exército declara que «apesar da morte de um militar e de um outro ter ficado ferido no Domingo os treinos vão continuar embora adaptados ao tempo quente que está previsto para hoje». Porque, pelo que se vê, os treinos não estavam adaptados ao tempo quente que estava previsto para ontem (?!)
Estamos em guerra? Iremos ser atacados por inimigos externos? A independência de Portugal está em perigo? (não, não estou a pensar na ingerência de Bruxelas) A nossa Defesa está em alerta? Deve ser segredo porque não consta nada disso. Sabe-se que há treinos militares, em situações onde a desidratação é possível, dois rapazes são apanhados por essa onda de calor brutal e um acaba por morrer mesmo na enfermaria. Como é que foi assistido na enfermaria? Tantas dúvidas com que se fica!
Mas o chocante é a continuação dos treinos, a frieza da declaração que li. Como se a queixa de calor fosse uma pieguice, e aqueles rapazes devem ser resistentes a tudo portanto vamos lá continuar os treinos sem mariquices nem queixinhas.
Já disse que não gosto da tropa?


Cereja


segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Negócios...


Como seria de esperar, nesta luta guerra das editoras, li agora a resposta da APEL à medida do governo sobre os manuais gratuitos.

Há dias tinha lido no mesmo Público um artigo confirmando o que parecia óbvio sobre o negócio dos manuais escolares e analisando as últimas decisões do governo sobre esta matéria dizia que «o negócio dos materiais escolares está a abanar». Parece que sim. Dizia lá que «isto significa três coisas a) no ano lectivo de 2017/18 vão ser vendidos menos livros b) as editoras têm boas razões para estar preocupadas e c) finalmente há uma medida oficial para tentar mudar as coisas e dar o primeiro passo no sentido da reutilização dos manuais uma coisa boa para a bolsa dos portugueses e para a sustentabilidade do planeta.»

A Saúde e a Educação são duas pedras básicas numa sociedade que se preocupa com os seus cidadãos mais desfavorecidos. E quem luta contra as desigualdades sociais, choca-se sempre ao perceber que duas necessidades desta importância para a sociedade podem ser também uns brutos negócios. Quanto à Saúde tem-se uma ideia do que são as máfias das empresas farmacêuticas, e no campo da Educação, embora com outra dimensão, temos os interesses das editoras. Naturalmente que quer farmacêuticas, quer editoras, tem interesses legítimos. Mas...
[Um parêntesis: embirro com a frase eu não sou ****, mas porque a seguir ao 'mas' aparece o que se considera a excepção ]
Eu não sou saudosista, ponto final. Cada coisa no seu tempo, vivemos o presente, sonhamos o futuro, recordamos o passado. E quando se recorda o passado podemos aprender algo. A minha geração cresceu num regime totalitário, e no ensino usava-se o «livro único», era o ensino censurado. Mau, claro está. Os professores só podiam ensinar aquilo que o governo queria, a vigilância era total. E, claro, o livro era para ler, e os cadernos para escrever. Aliás até havia uns cadernos de papel mais grosseiro chamado papel de sebenta para fazer rascunhos, porque tudo se poupava naquele tempo. E como os-livros-eram-para-ler iam passando de mão em mão para serem utilizados.
Depois de Abril a metodologia do ensino foi também revolucionada. E passou-se de há uns anos para cá a usar uma coisa hibrida entre o livro e o caderno. Trazia os textos que explicavam a matéria e no final uns exercícios para avaliar se tinha sido compreendida. Era apelativo, teve sucesso e até parecia que se poupava um caderno. Mas evidentemente que aquele manual só serve para uma vez. E as editoras, que passavam momentos difíceis durante o resto do ano, tinham ali uma galinha de ovos de ouro inesgotável: ganhavam em Setembro/Outubro de cada ano tanto quanto ganhariam no resto de todo o ano.
O complicado é que isto vai ser uma guerra com muitas batalhas, os professores devem estudar técnicas de ensino para além destas do manual/caderno, as editoras vão ter de repensar as suas estratégias, e os alunos e famílias aceitarem que reutilizar é bom. Quando leio que por lei estes manuais devem durar 6 anos, nos países nórdicos onde são grátis, a duração vai até 10 anos, vê-se que não é possível que sejam livros/cadernos como cá, porque no 2º ano já não servem...
Mas isto é mudança de mentalidades em muitas áreas, e não será fácil. Sobretudo as editoras não vão ceder sem luta, o que quereriam decerto é que tudo ficasse na mesma com o Estado a pagar os manuais... Ah pois!




Cereja

sábado, 3 de setembro de 2016

Os modernos Salomões

Salomão ficou famoso para sempre graças ao seu célebre julgamento: perante duas mães que disputavam uma criança como sendo sua filha, mandou cortá-la ao meio e dar metade a cada uma. Uma delas abdicou da «sua metade» e concluiu-se que era a verdadeira mãe e a história acabou em bem. A sentença ficou famosa, não se imaginava que ele mandasse mesmo dividir a criança.
Passaram-se séculos e séculos, e em 1989 foi criada pelas Nações Unidas A Convenção sobre os Direitos da Criança. É um documento muito importante, com 54 artigos que cobrem todas as áreas importantes para a vida de uma criança. No artigo 9 º diz-se que «a criança não é separada dos seus pais contra a vontade destes [....] salvo se as entidades competentes decidirem [....] que essa separação é necessária no superior interesse da criança». Parece lógico, de bom senso até. Só no caso de uma situação gravíssima e  se  procura uma alternativa que não o pai ou a mãe.
Até há uns 100 anos havia a ideia, socialmente aceite, de que os pais eram donos dos seus filhos. Assim como não se metia a colher entre o marido e a mulher também não a metiam entre os pais e os filhos. Hoje parece-nos medieval, incrível, aberrante, e felizmente ninguém já pensa assim. E existe a Convenção que se deve cumprir.
Mas há um fenómeno novo, nas sociedades modernas. Coincidindo com um aumento enorme de separações de casais, os pais hoje disputam violentamente os seus filhos. Por aquilo que vou vendo à minha volta, são uma minoria os casos onde se resolve amigavelmente a partilha dos filhos.
E então os Tribunais de Família decidem. Decidem com um poder absoluto. Não quero generalizar porque, como em tudo, só conhecemos os casos maus, mas... Mas há muitos, demasiados, casos maus. Vejo constantemente pais e mães aterrorizados com a possível decisão do juiz, que os pode ouvir mas decide sem ter de justificar porque tomou essa decisão. (Isto merece mais reflexão, mas fica para outro post)
Mas passa-se em Portugal algo de muito grave.
A Justiça e Segurança Social têm Lares e Instituições de Acolhimento para crianças. Para se ter uma ideia, vivem em Instituições de Acolhimento 8.600 crianças e jovens. Sim, leram bem, oito mil e seiscentas crianças institucionalizadas. Como se pode ler através do link, «são crianças que trazem percursos de vida extremamente traumatizantes e que precisam de um grande apoio para poderem reencontrar o seu equilíbrio».Ou seja, uma criança é orientada para lá em desespero de causa, quando não se vê nenhuma alternativa.
Mas imagine-se que agora é vulgar (?!) nos tribunais de família, quando os pais não se entendem sobre a guarda dos filhos, os juízes declararem «ai é? não se entendem, e nenhum quer ceder? então decido que a criança vai para uma instituição!» Assim portanto a criança é duplamente vítima, é arrancada dos braços da mãe ou do pai com quem vivia o que já é grave, mas não é para ir para uma avó, tia, madrinha, alguém que lhe seja familiar, não, é condenada à cadeia a entrar numa instituição! Uma violência que brada aos céus.

A primeira vez que ouvi falar duma ameaça destas considerei que era um mal entendido, fiquei até irritada com a pessoa que tinha dito, para mim era im-po-ssí-vel. Hoje já sei que eu é que era ingénua, as ameaças e até mesmo a concretização existe.
São os modernos Salomões, ignoram o sofrimento da criança inocente desde que castiguem bem quem não obedece às suas ordens. Revoltante? Mais. Não encontro um bom adjectivo....


Cereja



sexta-feira, 2 de setembro de 2016

As lâmpadas descontinuadas

Li agora a notícia que já tinha ouvido ontem sobre umas lâmpadas que vão ser descontinuadas.
Depois do arrepio que sinto sempre ao ouvir este inútil neologismo (descontinuar?! mas que parvoíce) fico a meditar sobre a notícia. 
Durante a maior parte da minha vida (uma muitíssimo grande parte, aí uns 8 décimos...) vivi com lâmpadas incandescentes. Sabia como eram, a força da luz que davam - 50 velas, 75 velas, 100 velas. Desde criança que sabia que as que tinham menos 'velas' davam uma luz mais fraquinha e gastavam menos electricidade, e também aprendi em criança só se tinha a luz ligada quando era preciso, ao sair de um quarto devia apagá-la.
Mais tarde começaram a aparecer as lâmpadas fluorescentes. Usavam-se em cozinhas ou casas de banho e davam uma luz muito mais branca e fria. Nunca gostei. Parece que gastavam muito menos energia, acredito, mas aquela luz muito fria era-me desagradável, e nunca as usei em casa.
(Cabe agora aqui uma explicação. Gosto imenso de luz, sempre que possível natural. Aceito e respeito quem goste de ambientes de penumbra, que os sintam mais «cozy», mais íntimos e aconchegantes, mas não para mim! Gosto de luz a entrar por grandes janelas, de dia, ou uma casa iluminada por luzes fortes, de noite. Posso usar um candeeiro com uma luz fraquinha, para-dar-ambiente, mas isso entra como decoração, na minha casa usavam-se lâmpadas de 75 velas ou até de 100 velas.)
E há uns anos o mercado foi conquistado completamente pelas lâmpadas de halogéneo. Ná! Detestei. Era, e foi, uma confusão, quer quanto à cor quer quanto à potência. Por um lado a luz era branquíssima, parecia que estávamos na lua, e embora existissem umas com luz mais quente, o comprador comum não as distinguia, por outro quem estava habituado a falar em «velas» não se percebia como era a equivalência... Horrível Ah, e ainda uma coisa irritante, o tempo infindável que levavam a acender completamente. Se entrássemos numa sala só por uns minutos, entrávamos e saíamos e a luz não tinha acabado de acender...
Mas a guerra das lâmpadas parece não ter fim. A UE quer agora «descontinuar» as lâmpadas de halogéneo porque gastam muita energia, os ambientalistas aplaudem e eu também porque não gosto daquilo.
E agora?...Temos as (ou os, não sei o género daquilo...) «LEDs». Parece que é melhor. Gastam menos potência e duram bastante apesar de serem caríssimas. Pelo que tenho visto o seu tipo de luz é ainda fria para o meu gosto. Mas como a «descontinuação» é até acabarem os stocs ainda vai faltar muito até o halogéneo ir à vida e pode ser que entretanto descubram uma simpática e menos cara. Hmmmm.... Wisful thinking!



Cereja

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

O ridículo de algum do politicamente correcto. Detesto fundamentalismos!

Na essência está certo. O politicamente correcto ajuda a perspectivar atitudes ou discursos que estarão certos ou errados segundo valores importantes. Isto, em princípio. Mas neste momento quando se ouve a expressão ficamos logo desconfiados, e com razão.Os fundamentalistas dessa correcção (?!) tomaram o freio nos dentes e sai parvoíce, dando má fama ao conceito.
Veja-se isto
Sorriram, não sorriram?
Um meu amigo de facebook, que tem sempre, mas sempre, uns posts engraçadíssimos onde joga com trocadilhos de palavras, muito inspirado, deixou este boneco. Eu sorri, e ia deixar-lhe um 'like' com uma palavra de apreço, quando vejo este comentário «Partilhei este meme num grupo de designers, sem me aperceber da infeliz mensagem racista que (também) contem. Apaguei o post quando um colega me alertou para o facto de em português o «bold» se dizer negrito»
Ooooooh!

Poramordedeus!!!
................
Ná! O ridículo não mata, está provado.
Mas o exagero do politicamente correcto faz perder a paciência.


Cereja

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

O mundo tem mudado para melhor



Fez ontem 80 anos que assassinaram Federico Garcia Lorca.
Uma perda irreparável para a cultura, uma perda enorme para Espanha, uma figura riquíssima, poeta, dramaturgo, escritor, pintor, compositor, pianista... Mataram-no quando tinha 38 anos, no auge da vida.
Foi logo no início da guerra civil, e a acusação seria por ser 'rojo' um perigoso esquerdista. Mas todos os relatos sublinham que foi uma vítima do que hoje se chamaria «crime de ódio» crime motivado por preconceito, uma das demonstrações disso foi os seus assassinos se gabarem de não o terem fuzilado de frente como era a regra, mas viraram-no de costas para o pelotão, numa alusão à sua homossexualidade. Arrepia? Pois, eles acharam graça.
Sabemos que este preconceito têm raízes muito espalhadas. O facto de se ser gay é aceite (é?) quase que apenas só nos países do 1º mundo. Numa grande parte do mundo é ainda castigada essa orientação sexual, e muitas vezes mesmo que a lei não permita a homofobia declarada e portanto legalmente se possa castigar quem a pratique, socialmente há práticas de bulling que de um modo ou outro ostracizam quem se enquadre nessa situação.
Mas....
Mas o mundo tem mudado! Até o facto de existir uma palavra para esse conceito, a homofobia, já é algo de notável. E a palavra nasceu em 1971, só há quarenta e tal anos apenas, 'inventada' por um psicólogo judeu/americano. Até então era 'um crime' uma orientação sexual diferente da maioria, punido mesmo com prisão em muitos países.
Faz-nos reflectir no porquê...? Tirando a antiguidade quando na Grécia a homossexualidade era tão normal que ficou conhecido como «amor grego» o amor entre pessoas do mesmo sexo assim como Lesbos famosa ficou, vê-se ainda um horror enorme, creio que com origem religiosa mas vai mais além disso. Porquê? É certo que a raça, ou a religião também provocam reações fortes como se sabe mas a luta anti-gay parece completamente desproporcionada em relação às outras. Que ameaça podem sentir?
Felizmente os Lorcas ou Oscar Wildes, hoje viveriam bem nos seus países, faltando ainda imenso para o que seria justo o mundo está um pouco melhor. 

Um pouco.

Cereja