quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Lixo(s)

Desta vez estou a pensar no lixo mesmo lixo. Não é no minúsculo caixotinho do lixo que está aqui no canto do meu ambiente de trabalho nem no famoso lixo para que foi atirada a nossa hipótese-de-pagamento-da-dívida-soberana. Queria falar do lixo doméstico. O lixo lixo.
Lisboa hoje em dia (cof... cof...quero eu dizer, já há uns largos anos...) anda francamente suja. É claro que não me recordo dela sendo muito, muito, muito limpa mas, nas minhas recordações mais antigas, não entravam as quantidades impressionantes de cocó de cão espezinhado, nem embalagens de tudo o que já-teve-comida-dentro espalhadas pelos passeios. Essa «nova porcaria» é relativamente recente.
Mas, mais recente ainda, é o «novo lixo», novíssimo, o que é provocado, paradoxalmente, pela existência dos ecopontos. Este é um tema recorrente dos meus escritos em blogs. Já há mais de 6 anos  escrevia eu sobre o tema Aliás, escrevi até muitas vezes, era uma ideia fixa e não vale a pena procurar links porque  vocês estão a ver o que quero dizer. O que custa acreditar é que está tudo na mesma ou pior!
Chamo a isto um novo lixo, porque antes da existência destes contentores especiais para o lixo separado, do vidro, papel e embalagens, as pessoas deitavam simplesmente o seu lixo no caixote e era recolhido todos os dias pelas camionetas da Câmara. Evidentemente, como recordei acima, havia sempre gente incívica que atirava para o chão a lata da bebida que tinha acabado, ou o pacote amarrotado de batata frita, ou qualquer outra porcaria. Os passeios não andavam limpos, não senhora.
Só que agora, a coisa é diferente. Desde a chegada dos ões - os papelões, vidrões e embalões - a população foi ensinada a que devia «separar o lixo». O.K. Só lhe fica bem. Mas por um lado essa separação não é assim tão óbvia como a publicidade (que nos diz que qualquer macaco ou bebé a sabe fazer) nos quer fazer crer. Está bem que se recolhe vidro, mas quase só garrafas ou boiões e temos de tirar cuidadosamente tampas, rolhas e rótulos. Vidros de vidraças, de lâmpadas, de copos, de pirex, não dá. E devem estar lavados, garrafa de azeite ou óleo, não dá. Papeis para o papelão, mas temos de tirar elásticos, agrafos, fitas adesivas e já não serve se estiver sujo, algum papel de embrulho, nem algumas qualidades de papel. E já nem falo no ecoponto amarelo, das embalagens, que a confusão é enorme sobre o que é lá aceite ou não...
Mas, por outro lado, (e isso é que é mesmo muito grave!) a malta decidiu fazer a coisa por metade: aceitar a existência dos ecopontos e levar os sacos até lá, mas depois não os mete dentro dos contentores, deixa-os ao lado. E não apenas os sacos com o produto para reciclar que ficam de lado quando o ecoponto já está cheio, já agora ficam lá todos os sacos, mesmo com o lixo normalíssimo!
O que dá como resultado que, em Lisboa, as zonas perto dos ecopontos sejam umas perfeitas lixeiras.
Um nojo.
Não há ninguém na Câmara que veja isto????!!!!


Pé-de-Cereja

6 comentários:

Joaninha disse...

Não sei se é só em Lisboa. Vejo o mesmo por muitos sítios. Uma porcaria incrível!!!
Fui atrás do link para o velho Pópulo, e ali está a resposta afinal. O que se devia fazer era o que é lá proposto por algumas Câmaras ou Juntas de Freguesia.

sem-nick disse...

Claro que sim. Por vezes vejo gente a atirar com sacos para ali, como se fosse um contentor do lixo. Ou nem isso porque mesmo para o contentor deita-se PARA DENTRO e não se deixa ao lado. Se é para aquilo por raio não o deixam ir no caixote normal?!

Anónimo disse...

Tens razão quanto a já teres batido muito neste tecla, mas a verdade é que continua tudo na mesma, portanto dá-lhe! Com força!!!

Anónimo disse...

Então no meu bairro é um nojo...
Depois até aparecem cães a esgravatar nesse lixo que é abandonado ali. Fica tudo espalhado, uma porcaria ENORME!

pé-de-cereja disse...

'Brigada, meus caros.
Portanto, não sou só eu que vê isso, n'é???

sem-nick disse...

Não tinha visto bem que a coisa PIOROU depois dos tais ecopontos. Mas olha que é mesmo... Bem visto.
De qualquer modo essa coisa do «cheira bem, cheira a Lisboa» é e foi apenas uma cantiga!!!